/

A história do Armazém do Grão: como uma panificação de bairro conquistou uma cidade

De um comércio modesto no Bairro Castrioto a uma rede de quase 10 lojas em Petrópolis

Comece a ler

Em 1956 chegava a Petrópolis o produtor rural José Silvério Corrêa. Natural de Sardoal, foi na Rua Dr. Paulo Hervê que o sul-paraibano se aventurou no comércio com a venda de querosene, banana e destilados. 57 anos depois, seu neto, Antoane Hang Corrêa, inaugura na mesma via a quinta loja da rede de supermercados Armazém do Grão: empresa que tem no respeito por sua história e por todos aqueles que a compõe o maior e principal alimento.

Se em meados dos anos 50 os principais atendidos pelo senhor José eram os trabalhadores que atuavam na construção da BR-040, mais de meio século mais tarde pode-se dizer que é a família Corrêa quem atua na construção de caminhos capazes de disseminar e semear uma filosofia de crescimento com base na dedicação, respeito, honestidade e união por um mesmo propósito.

Escrita a várias mãos, a história da família teve início com o patriarca no Bingen e, desde então, ganha novos capítulos a cada dia. Onde o gosto pelo comércio corre pelas veias, os Corrêa já tiveram açougue, mercearia e panificação. E foi justamente nessa última, a Panificação Castrioto, localizada no bairro de mesmo nome, que Antoane teve o primeiro contato com o segmento que viria a se tornar seu propósito de vida.

“Meu pai, Antônio, inaugurou a padaria junto de dois irmãos, o Heitor e o Oswaldo. Eles acreditavam que para prosperar o negócio tinha que ser sempre familiar, então trabalhavam lá minha mãe, minhas tias e eu, já com sete anos de idade”.

Foto: Alexandre Carius

Emoldurado no atual escritório, o jaleco que usava quando criança é lembrete diário de suas raízes e do esforço depositado num sonho que, pouco a pouco, ganha ainda mais adeptos e colaboradores.

Onde, quando pequeno, sua missão era recolher os copos deixados no balcão da lanchonete da panificação, limpá-lo e vender balas e chicletes, hoje o propósito de Antoane é outro, ainda que o mesmo no que diz respeito à importância da manutenção. “O que me move é a minha missão. O propósito de deixar um legado. O Armazém vem escrevendo uma história e minha missão é manter essa história”. 

Funcionário de carteira assinada aos 14, gerente aos 16, sócio aos 18 e proprietário aos 20, foi no começo dos anos 2000 que Antoane transformou a panificação em Supermercado Castrioto. A oferta de mercadorias cresceu, assim como o espaço, quadro de funcionários e o número de entregas mensais, que na época chegavam a mil. Pouco tempo depois, o bairro começava a ficar pequeno para o sonho cuja proposta era digna de virar marca.

Foto: Arquivo pessoal família Corrêa

“O grão veio porque somos apaixonados pelo alimento; é a semeadura, o plantar, o colher. Em 2008 inauguramos o primeiro Armazém do Grão, na Porciúncula. Foi quando começamos a competir com as grandes marcas”. Regido pela busca constante pela entrega do melhor serviço e experiência de compra, o Armazém tem como um de seus valores a integridade e a preservação da confiança nos relacionamentos.

Na imagem, a primeira filial do Armazém. Foto: Divulgação

É o que comprova o envolvimento de Luciana Gall de Souza Corrêa, de 38 anos, na empresa. Esposa de Antoane, Luciana é psicóloga com formação em gestão de pessoas e também quem, desde 2006, atua na humanização da empresa – apesar de seu envolvimento com o negócio ser de longa data. Namorados aos 14, era na panificação que Luciana passava os dias e ajudava a família de Antoane na rotina de trabalho diária.

“Quando começamos a namorar ele já trabalhava com o pai, então eu ia trabalhar junto dele. Trabalhei no caixa e depois passei a fazer a consolidação do cartão de crédito”. Com a criação da marca Armazém do Grão, Luciana assumiu o RH da empresa e foi a responsável por recrutar todos os funcionários das lojas do Centro, Bonsucesso e Valparaíso. Para ela, estar próximo da equipe é imprescindível na criação da empatia.

Na imagem, o diretor-presidente Antoane Hang Corrêa, ao lado da esposa, incentivadora e diretora de Marketing do grupo, Luciana Gall. Fotos: Divulgação – Alexandre Carius

“Muitos deles eu conheço por nome. Sei com quem são casados, se têm filhos ou se passam por alguma necessidade. Nosso tema de serviço é criar a felicidade. Seja pro companheiro que trabalha ao lado, para o cliente ou o fornecedor”. Prova disso é a trajetória da gerente da loja do Valparaíso, Raquel Ferrari Luccas, de 34 anos. Graças à família Corrêa, ela explica que há 20 anos a felicidade faz parte de seu dia a dia.

Funcionária da família desde a época do Bairro Castrioto, foi empregada aos 14 para atuar no balcão da padaria. Assumiu o posto de caixa e, no Centro, se tornou líder de frente de loja. Hoje gerente, ela se mostra extremamente grata às oportunidades concedidas e, principalmente, à confiança nela depositada, que afirma não ser capaz de se enxergar trabalhando em outro lugar.

“Eu entrei sem experiência e eles acreditaram em mim. Fui criada no Bairro Castrioto, então eu conhecia a família. Era um mercadinho de bairro. Todo mundo conhecia e frequentava e até hoje o Antoane preza muito pelas pessoas. Ele faz questão de cumprimentar os colaboradores e é sempre muito educado”. É o que também comprova a gerente de RH Adriana Guarnieri, de 40 anos.

Funcionária do grupo desde 2012, Adriana foi contratada como analista, se tornou coordenadora de RH e hoje atua como gerente. Com orgulho, ela relembra o processo de contratação de todos os funcionários que inauguraram a loja do Bingen e a integração com quem faz a empresa acontecer. Semanalmente, às sextas, ela percorre todas as lojas e promove a aproximação com a equipe.

“Não faço mais o processo seletivo, mas estou sempre na integração. Busco saber o nome de cada um. É uma característica que vem do Antoane e quando vem de cima a gente consegue disseminar”. Tendo implementado em 2019 um Programa de Excelência, o Proex, e uma Universidade Corporativa, a UniGrão, o Armazém tem se proposto a ser uma empresa que certifica e que deixa um legado seja para quem vai ficar ou alçar outros voos.

Os cursos – que vão desde açougue, padaria, frente de loja a mercearia e departamento financeiro, por exemplo – foram estruturados pelos próprios funcionários e acontecem de maneira online em plataforma própria. E o treinamento continua também no presencial. Onde cada novo funcionário tem um orientador no ambiente de trabalho, a ideia é aperfeiçoar a equipe, aumentar seu comprometimento e as chances de crescimento.

Hoje com nove lojas presenciais e uma de e-commerce, o Armazém do Grão já conta com mais de 700 funcionários diretos que caminham em direção à mesma missão de serem sempre a melhor escolha. Para se ter uma ideia, a empresa já trabalha com produtos importados de 70 estados do mundo, e quem acompanha toda essa movimentação de perto é o colaborador Silvio Cesar Bazilio, de 56 anos.

Funcionário de confiança e, sobretudo, amigo, Silvio foi o primeiro gestor do Centro de Distribuição do Armazém. Fascinado pela empresa e pelos valores que cultiva, ele recorda sua contratação – ainda pelas mãos de Luciana, e sobre a emoção que foi ver o quadro de funcionários multiplicar de 20 para 700 e acompanhar o número de lojas crescer junto de toda a estrutura de apoio.

“Recebemos 50 caminhões de fornecedores a semana toda e, diariamente, temos quatro caminhões que usamos para abastecer todas as lojas todos os dias, tanto com carga fria, quanto com carga seca. A família Armazém do Grão me enche de orgulho. Ela leva alimento para a mesa dos petropolitanos. Estou sempre torcendo para que o Antoane e a empresa decolem”.

Antoane ainda na época das atividades no Bairro Castrioto. Fotos: Arquivo pessoal família Corrêa

Com a aquisição, no final de 2020, da antiga sede da Dentsply, o Armazém do Grão transferiu, no começo deste ano, seu centro corporativo e de distribuição para o prédio. “O quão bonito é a gente ver a compra do nosso próprio CD? Essas coisas só acontecem quando chega a hora. Depois de oito lojas viemos a ter essa conquista aí. É o tipo de coisa que vem para somar com as famílias que vivem desse trabalho, dessa corporação”, diz.

Mais um grande passo para a empresa de raízes petropolitanas, o Armazém do Grão é prova de que é no solo que estão os nutrientes necessários para o crescimento e que, uma vez firmado, o resultado só pode ser um: o de cultivar e semear num terreno fértil para as gerações que estão por vir.

(Reportagem produzida para a revista de aniversário da cidade emitida pelo jornal Tribuna de Petrópolis em 16/03/2021)

Carolina Freitas

Jornalista e escritora, Carolina Freitas se dedica ao resgate e à valorização da memória petropolitana a partir da produção de reportagens e curtas-metragens sobre a história, o comércio, e a vida da cidade.

14 Comments

  1. Sou cliente da loja do Bingen desde a inauguração e também da loja da Dr. Porciúncula, também recebo as promoções todos os dias.

  2. Sou cliente desde o pequeno comércio no Bairro Castrioto. Era um dos poucos estabelecimentos que aceitavam o Cartão Alimentação do TJRJ. Eu e meu marido íamos fazer nossas compras todo início de mês e éramos recebidos pelo Antouan com toda gentileza e educação. Fico muito feliz por ele ter alcançado seu objetivo.

  3. Trabalhei na rede pouquíssimo tempo, porém, tempo suficiente para saber o quão humanos e dedicados são Antoane e Luciana, a frente dessa história. Sou fã dos dois até hoje e tenho certeza que eles são inspiração para quem os conhece mais de perto.

  4. Parabéns à família do Armazém do Grão e à Carolina Freitas que nos traz tantas informações fantásticas sobre a nossa Petrópolis!

  5. No armazém do grão, os colaboradores não tem matrícula e sim nome e isso faz com que cada um seja especial para o grupo( família armazém)! #armazemprasempre

  6. Acompanhei bem a trajetória sou morador do bairro castrioto e vi a evolução com excelente atendimento deste menino junto a família no trabalho do dia a dia parabéns a equipe construida antoane.

  7. Eu sou Petropolitana mais moro em Brasília á 42 anos mais quando vou em Petrópolis sempre vou no Armazém do Grão, até porque minha irmã é cliente da filial do Bingen. Gostei muito de saber um pouco dessa linda história. Que Deus os abençoe cada dia mais, para que possam empregar cada vez mais pessoas .
    Parabéns!!!

  8. Que legal essa matéria!
    Tive a oportunidade de fazer parte dessa equipe que começou no Castrioto e depois fomos para o Centro, fico imensamente feliz por todas as suas conquistas Antoane.
    Que Deus continue abençoando e que seu sucesso seja cada vez maior!!

  9. Feliz em conhecer essa história pessoalmente, aproveito para lembrar toda ajuda que Antoane concedeu a creche da tia Leila, na época com quase 60 crianças, através da sua primeira loja no Bairro Castrioto. Gratidão não se esquece!

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.