Entre corredores e setores, empurrar o carrinho era o primeiro passo para se explorar o próprio caminho. Feita a projeção do destino, ficava a cargo de quem estivesse na direção, regular a velocidade e a impulsividade ao volante. Afinal, individuais e imateriais, os êxitos no Entreposto Nacional S.A, o ENSA, se mostraram graduais e extracontratuais.

Se até carrinhos de supermercado vão na direção para onde são empurrados, é seguro dizer que o mesmo aconteceu com os planos de quatro sócios que, a partir de uma pequena mercearia, se moveram em direção ao sucesso. Carlos Mauricio, de 80 anos, foi um dos diretores do ENSA e dá detalhes sobre o negócio que chegou a 12 filiais.

“Éramos quatro sócios – eu, meu irmão Valter, Pedro e Vinícius – e começamos com um pequeno armazém, o Maurício, no Alto da Serra. Ele foi crescendo, montamos cinco lojas e depois evoluímos para o supermercado, o Entreposto Nacional S.A. Chegamos a ter 1.200 funcionários, até que, em 1979, vendemos para as Casas da Banha”.

Se, petropolitano, o empreendimento foi motivo de orgulho para a cidade, que dirá para os funcionários que, com as próprias mãos, ajudaram a escrever a história dos supermercados. O corretor de imóveis Paulo Eduardo Rebello Damico, de 59 anos, conta que ainda menino foi empregado pela rede. De tão jovem, até autorização de Juiz ele precisou para trabalhar.

“Meu tio, Pedro Amaral, foi um dos diretores do ENSA, então minha mãe o pediu uma vaga para mim; assim eu conseguiria ajudar nas despesas de casa. Eu trabalhava no escritório central, mas também fazia serviços de rua e ficava muitas vezes depois do horário ajudando como empacotador porque ganhava alguns trocados”.

Descrita por Paulo Eduardo como “eterna e única” em sua vida, a experiência adquirida em seu primeiro emprego de carteira assinada se mostrou marcante e positiva. Como ele mesmo faz questão de dizer, “aquilo que poderia ter sido um fardo, se mostrou motivo de crescimento”.

Com filiais em Juiz de Fora, Três Rios, Volta Redonda, Barra Mansa e outras cidades no estado do Rio de Janeiro, o ENSA, como era de praxe naquela época, marcou gerações de petropolitanos por conta de suas inaugurações nas cidades, verdadeiros eventos que contavam com shows de grandes cantores e, é claro, promoções.

Este slideshow necessita de JavaScript.

No caso da sede do Alto da Serra, quem se lembra de ter marcado presença foi o aposentado Domenico Scagliusi Filho, de 60 anos, então operador de externa da Petrópolis Rádio Difusora, a PRD-3. Adolescente, à época, foi ele o responsável por operar a transmissão ao vivo da abertura da nova loja.

“Me lembro que a cantora de MPB Lilian se apresentou naquele dia. Ela era alguém de peso, que estava voltando para o mercado em carreira solo. Deu um movimento legal. Me lembro que o ENSA era um forte anunciante na Difusora. O bordão era ‘ENSA: o supermercado do povo dá a hora do povo’, e em seguida era informada a hora certa”.

Paixão a longo prazo

Um emprego, dois amores. Assim foi a trajetória de Valdir Nogueira Stoltzenburg, de 67 anos, no supermercado ENSA. Aos 14, o menino deu início à trajetória profissional como balconista. Mal sabia ele que, mais do que o sustento, o emprego lhe daria amores para a vida toda: o comércio e aquela que viria a ser sua esposa.

“Comecei no ENSA como balconista, mas depois me tornei repositor, encarregado de frente de loja, encarregado de mercearia, subgerente, gerente e, por fim, supervisor de 12 lojas, já na época das Casas da Banha. Quando o negócio fechou as portas gerenciei o Paes Mendonça, o Pão de Açúcar e, há 19 anos, gerencio o Bramil”.

Durante todo esse tempo, quem esteve ao lado de Valdir e o viu crescer é sua ex-colega de trabalho Gilda Lemos Stoltzenburg, de 64 anos, com quem está casado há quase 46. Já são mais de 16 mil dias juntos, mas aquele primeiro em que a viu, nem o tempo é capaz de apagar.

“Foi paixão à primeira vista. A mãe dela a levou para procurar emprego e eu, repositor, a vi sentada. Na semana seguinte, com ela já trabalhando lá, decidi puxar conversa. E dali começou, né? A conheci em março e nos casamos em outubro. Hoje temos 3 filhos, 4 netos e 3 bisnetos. Eu sempre fui lutador, mas ela me ajudou muito. Tudo é o destino”.

Movido pela força de vontade, Gilda explica que Valdir sempre atingiu as metas com as quais se comprometeu; e quando, lá atrás, a jovem entrou para o corpo de funcionários do supermercado ENSA, ele disse a si mesmo que a levaria em casa e nada, nem ninguém, o impediria.

“A mãe dele sempre foi muito cuidadosa com o uniforme dele. Estava sempre limpinho, dobradinho. Aí um dia ele arrancou um dos botões da camisa só para falar comigo. Eu o costurei de volta e ele me perguntou onde eu morava para me levar em casa e mandou comprar um rosa amarela para me entregar, justo a que mais gosto, sem nem saber disso”.

Teimoso, Valter conseguiu levá-la em casa. A primeira de muitas outras vezes, diga-se de passagem. Unidos por um amor verdadeiro, como explicam, a gratificação da dupla se mostrou extracontratual: foi bem além das folhas de pagamento recebidas no ENSA e do que o cartório pudesse comunicar.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Entre corredores e setores

E por falar em amor, ao que tudo indica, os corredores do ENSA deram sorte aos casais. A agente comunitária de saúde Maria Luiza Tavares de Lima Ladeira, de 53 anos, explica que vieram de lá seus bolos de casamento. Caprichados e confeitados, foram escolhidos a dedo por ela e a família, que chegaram a degustá-los.

“Na época meu vizinho era confeiteiro no ENSA. Ele fazia bolos muito gostosos, então meu pai encomendou dois enormes. Acho que ele ficou com medo de não dar para todo mundo, então mandou fazer dois. Eram tão grandes que não deu nem para passar com eles pela porta da sala”.

Considerada uma atração por Maria Luiza, ir ao supermercado, “era quase que um lazer”. E sem nem perceber, a clientela ia, pouco a pouco, se apegando e pilotando o próprio carrinho. O vendedor ambulante Darcy de Azevedo, de 80 anos, relembra a vez em que, sem querer, criou um slogan para o Entreposto Nacional S.A.

“Não houve concurso nem nada, foi uma criatividade momentânea. Meu patrão era amigo do Carlinhos e acabou que nos tornamos amigos. Um dia, na loja, juntei as iniciais do ENSA e montei a frase ‘Economia Na Sua Alimentação. O Carlinhos gostou e acabei ficando com um prestígio entre eles e ganhando 10% de desconto sempre que comprasse”.

Graduais, as conduções dos carrinhos indicavam os caminhos; e talvez por isso o ENSA fosse tido como o supermercado do futuro. Afinal, nele os êxitos resultavam em relações e ligações para lá de duradouras.

(Matéria publicada no jornal Tribuna de Petrópolis em 30/06/2019)