Petrópolis Sob Lentes

Um blog sobre lentes dotadas de memória e história

Dando a volta ao mundo na Casa Copacabana

Os viajantes não saíam do chão, mas ainda assim davam uma volta ao mundo. Ora num bistrô francês, numa cantina italiana ou num café inglês, era com base nos cardápios da Casa Copacabana que a clientela definia seus destinos. Com o passaporte carimbado, o passageiro saía de lá convicto de que não demoraria a retornar.

“Coloquei o mundo no Copacabana”. É essa a fala do português Márcio Alberto que, aos 85 anos, embarca numa viagem no tempo quando, humildemente, traz à tona memórias da Casa Copacabana: negócio do qual foi proprietário por cerca de duas décadas. O sucesso do estabelecimento era evidente, e os números não mentem: segundo Mário, havia mais de 80 pratos no cardápio e 130 funcionários.

“Vinham mercadorias e gente do mundo inteiro. Para isso fiz uma pesquisa de produtos durante quase quatro meses pela Europa. Cataloguei tudo e os trouxe para cá. Passei pelas capitais para ver o que era bom: Londres, Nova Iorque, Toronto, Sydney, Paris.”

O freguês tinha a atenção dividida pelos dois ambientes que compunham a Casa: a confeitaria e, aos fundos, o restaurante que, estampado por um painel de Copacabana, tinha as paredes forradas por pinho de riga. Ambos os espaços com produtos igualmente saborosos.

“Nas sextas, era servido o vatapá e, aos sábados, a feijoada: prato forte que atraía gente do Rio. Ainda hoje me dizem: ‘Mário, quanta falta faz aquela Casa’. Cheguei a receber o Alceu Amoroso Lima. Ele ia lá com os filhos, já velhinho, jantar e almoçar todo dia. É gratificante. Não mereço nem a décima parte do carinho que tenho do pessoal todo”.

Arquivo Biblioteca Municipal – Bruno Avellar

Para abrir o apetite

Regido por um clima familiar, a Casa Copacabana era destino certo da bióloga e professora Ana Maria Maniaudet, que, juntamente de seus pais, irmãs e avó, desfrutava do almoço do estabelecimento nos fins de semana. Segundo ela, o couvert era esperado com entusiasmo.

“O patê de foie com picles picadinho era uma delícia. O Copacabana esteve muito presente na rotina de minha família. Tínhamos nossas preferências: os filés à francesa e à cubana, os camarões com champanhe, o estrogonofe de camarão, arroz à grega com brochetes de filé e camarão”.

Ana Maria conta que nem mesmo os artistas da época resistiam ao encanto do restaurante e que se lembra de ter visto Tônia Carrero, Carlos Imperial e Jô Soares no que considerava ser uma extensão de sua própria casa. Assim como ela, o promoter e cantor Celso Vieira de Carvalho relembra o nome de outro artista que se rendia à Casa Copacabana.

“Depois de um show do Francis Hime, no Shopping Vilarejo, ele disse, num bate papo informal, que ia com o Vinícius de Moraes ao Copacabana por volta das 11 horas da manhã tomar Campari e que o Vinícius dizia: ‘vamos dar início aos trabalhos’! Isso já faz mais de 20 anos”, diz Celso, que aproveita para declarar seu ‘fraco’ pelo vatapá e filé Wellington antigamente vendidos no local.

Aos olhos dos pequenos

Se engana quem pensa que eram apenas os adultos que saíam da loja satisfeitos. O engenheiro eletrônico Miguel Luiz Martins, de 58 anos, explica que, sempre que podia, comprava as balas e chocolates de sabor inconfundível da confeitaria.

“Dali eu gostava das barras de chocolate “Urso Branco”, das balas de cevada e das “azedinhas sortidas”, da Sönksen. Só de lembrar, ainda me enche a boca d’água! Me recordo perfeitamente do seu gosto delicado e inconfundível. Uma pena que tanto a Sönksen quanto a Confeitaria Copacabana tenham fechado!”.

Igualmente encantada pelos doces vendidos no estabelecimento, em especial pela banana split, era a aposentada Teresa Santos.

“Lembro que nós sempre comprávamos pão na padaria e que minha irmã mais velha levou a mim e ao meu irmão para tomarmos banana split pela primeira vez lá. Foi uma mistura de curiosidade e satisfação de me sentir importante”. 

Também deslumbrada pela Casa era a aposentada Luzia Helena Ramos, de 65 anos. Ela conta que estudava no Liceu Municipal Prefeito Cordolino Ambrósio e que considerava um verdadeiro deleite observar os balcões de vidro. Que dirá ter a chance de desfrutar de um dos tesouros de lá.

“O ponto do ônibus ficava perto do Colégio Santa Isabel, então antes de ir para o colégio eu e minhas amigas entrávamos lá e pedíamos água ao garçom que gentilmente nos servia. Éramos crianças de famílias humildes. Saímos de lá felizes por ter bebido em taças que serviam os clientes da alta classe”.

De olhos fechados, o cliente da Casa Copacabana sentia a mente viajar, o coração disparar e a sensação de que, a um pedido, estava, mais uma vez, a sensação de percorrer o globo.

(Matéria publicada no jornal Tribuna de Petrópolis em 28/10/2018)

Anteriores

Casa Edsan: tesouro entre tecidos

Próximo

Compondo laços de ouro na Ourivesaria Rittmeyer

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén