Petrópolis Sob Lentes

Um blog sobre lentes dotadas de memória e história

Casa Sloper: portas abertas para sonhar

Autoras do próprio conto, elas vestiam seu melhor sorriso e faziam da Casa Sloper seu reinado. No esplendoroso castelo de vidro, os tesouros expostos nas vitrines e a escada de corrimão dourado tornavam difícil diferenciar a ilusão do real. Estupefatas, clientes e funcionárias se rendiam ao poder da imaginação.

Arquivo pessoal Henrique Sloper – Bruno Avellar

E foi assim, sonhando acordada com as bijuterias da Sloper, que Valéria Berkovitz, de 57 anos, escreveu seu futuro. Ela, que foi proibida de mexer nas peças da avó quando pequena, explica o papel exercido pela loja no ramo pelo qual nutriu uma paixão inexplicável.

“Eu tinha cerca de seis anos de idade e ia sempre com minha mãe na Sloper. Meus olhos ficavam na altura da base das vitrines de bijuterias. As peças brilhavam muito e isso me marcou profundamente. Definiu minha carreira, na verdade. Sou arquiteta, mas me tornei designer de joias”, diz, orgulhosa.

Arquivo pessoal Henrique Sloper

Valéria se formou na primeira turma de joalheiros do Rio de Janeiro pela AJORIO e afirma: “Hoje tenho certeza de que a Sloper foi fundamental nesse meu desejo de viver em meio às contas, pedras e miçangas! Ninguém na família trabalha neste ramo então por que resolvi segui-lo? O brilho que meus olhos infantis viram ainda estão presentes nas minhas peças”.

Outra pessoa que acompanhava a mãe nas idas à Casa Sloper é a paulista Regina Baptista, de 54 anos. Ela morou em Petrópolis na década de 70 e conta que, em dado Natal, identificou na vitrine uma boneca que, para ela, nem ouro, literalmente, seria capaz de substituir.

“Ela se parecia com um bebê. Vinha com uma toalhinha, uma saboneteira e um edredom azul de cetim brilhante. Minha mãe ficou de buscar naquela semana, mas quando retornou, não tinha mais. Chorei tanto que meu pai me comprou um Cartier lindo com apenas quatro marcações de horas em caixa em ouro 24 quilates, mas não era meu bebê da Sloper”.

De fato, o que a pequena Regina queria era o brinquedo, para o qual já se imaginava até fazendo sapatinhos de crochê. Com pesar, ela diz que acabou perdendo o relógio em menos de um mês.

“Papai achava que, com o relógio, conseguiria abrandar um pouco a minha dor, mas não teve jeito. A bebê sempre ficará guardada na minha memória. Na Sloper, os olhos percorriam a loja inteira e parecia que você não dava conta de registrar as novidades e os artigos. Era, simplesmente, um pequeno pedaço do paraíso na terra. Eu ficava tonta. Não sabia para que lado olhar”.

De dentro do paraíso

Não é à toa que a Casa Sloper é, quase sempre, associada às magazines europeias. Henrique Sloper conta que o visionário por trás da fórmula de sucesso da rede de departamentos que conquistou o Brasil é seu bisavô, o inglês Henry Willmott Sloper.

“Ele veio para o Brasil em 1892, adorou o Rio de Janeiro, resolveu se mudar para cá e abriu uma lojinha pequena na Rua do Ouvidor, de 30 metros quadrados, em 1899. Chegamos a ter 1.800 funcionários, 15 lojas pelo Brasil, do Ceará ao Rio Grande do Sul”.

Exportador de café especial, Henrique, de 57 anos, ressalta alguns dos princípios que garantiram que o negócio se mantivesse por tanto tempo no mercado:

“O cheiro era muito importante, assim como a embalagem, a apresentação e o atendimento. A Sloper tinha 80% do staff feminino. Mulher sempre mandou. Fui educado dessa maneira”.

Quem teve a oportunidade de acompanhar de perto o dia a dia da filial em Petrópolis é a aposentada Suzana Xavier, de 76 anos. Ela trabalhou no setor de perfumaria no fim da década de 50 e, quando questionada sobre a inesquecível escada, dispara: “Era maravilhosa. Tinha tapete e um corrimão dourado. Eu me sentia uma rainha, subindo e descendo. Era meu esporte predileto”.

Arquivo pessoal Henrique Sloper – Bruno Avellar

Na memória de Suzana também foram eternizados os almoços pagos para as funcionárias no Copacabana na época do Natal. “Naquela época, quase ninguém estava acostumado a almoçar fora. Era um evento mesmo. O uniforme era saia preta e blusa branca, mas na véspera de Natal todas nós íamos de branco”.

Praticamente 30 anos depois da senhora Suzana, quem também desfrutou do glamour da loja foi a recepcionista Geovana Winter, que lá teve seu primeiro emprego aos 15 anos. Ela relembra o bom gosto do local que atraía os pedestres.

“A loja tinha cristais, porcelanas, roupas de linho, de seda, enxovais bordados. Bem no centro ficavam os adereços, que me encantavam. Ali você poderia comprar luvas de gala, máscaras de baile, arranjos para cabelo, chapéu, meias finas. Tudo que tinha lá dentro era de primeiríssima qualidade”.

Também tradição era o uniforme: saia preta, blusa branca social, crachá vermelho, salto alto, meia calça e maquiagem. “A gente saía na rua com aquele uniforme porque nosso horário de almoço era muito curtinho. Acabávamos sendo uma atração, fotografadas e filmadas porque, principalmente os estrangeiros, achavam aquilo muito curioso”.

A satisfação era garantida e, o atendimento, diferenciado. A Casa Sloper era destino certo na compra de presentes de casamentos e bodas, ou para uma simples ‘voltinha’ para checar as tendências. Um colírio para os olhos que tornava possível a realização dos encantos de quem sonhava acordado.

Museu Imperial/Ibram/MinC – Bruno Avellar

(Matéria publicada no jornal Tribuna de Petrópolis em 05/08/2018)

Anteriores

Doces Guerra e a fórmula da felicidade

Próximo

Circuitos de rua: velocímetros e corações acelerados

  1. Maria lucia maia

    Fui Funcionária da Casa Sloper por vinte anos, desde menor ate fazer carreira como Gerente, por varias filiais do sudeste ao sul.Amo ate hoje esta loja!!!! Grande foram meus superiores que estimo ate hoje, mesmo alguns deles terem falecidos@!!👏👏👏❤❤❤❤

  2. Cassia Cardoso

    Não vivo mais em Petrópolis por mais de 27 anos, mas guardo na memória tudo de melhor que Petrópolis oferece e as memórias da minha infância, especialmente as idas aos Sábados à Casa Sloper com minha Tia Paulina que sempre comprava pulseirinhas douradas para os meus braços de menina sonhadora com tantas belezas a minha volta naquela loja tão elegante e incomparável.

  3. Regina Barbosa Veira

    Fui funcionária da Casa Sloper , tinha 13 anos em 1960, recebi autorização para trabalhar, uma loja que era um sonho , vitrines lindas diversos produtos, meias , perfumaria, bijuterias , bolsa e luvas, porcelanas e pratarias, brinquedos isso na loja 1 piso, uma escadaria muito bem projetada que levava as pessoas primeiro para o escritório só para os funcionários e seguindo a mesma ia dar na seccão de modas como roupa feminina , de crianças e bebê , lingerie e sapataria, D. Olga como gerente e D. Yolanda como sub-gerente exemplo de pessoas, rigidez e disciplina todas as meninas sabiam que era assim que funcionava , eu estudava no Colégio Werneck por conta da loja e com 15 anos passei a ganhar salario de maior passei a ser chefe da seccao de crianças , passei pela perfumaria e bijuterias , muitas recordações , como o bolo de despedida de dona Olga quando se aposentou ,um bolo de coração enfeitado de rosinhas, representando cada funcionária . recordar e viver e no dia 24 -12 de cada ano todas de roupas brancas e cravo vermelho na lapela da blusa , antes da loja abrir confraternizacão presente amiga oculta e foto, sensacional palestra e benção com padre Aguiar,
    inesquecível!!!

  4. Bruno Paulo

    Palavras que a cada letra emociona e toca diretamente no passado. Minha mãe foi comigo diversas vezes a “Sloper” e as funcionárias nos atendiam com todo clamor. A loja em Recife era impressionante e ficou guardada na memória. Infelizmente minha mãe levou os momentos de lembranças, o qual conversava e tenho como grande gratidão da vida em ter vivido tudo o que relatam.
    Obrigado, pelas lembranças.

    • Carolina Freitas

      Oi, Bruno! Tudo bem? Eu que lhe agradeço não só por ter visitado meu blog, mas também por ter compartilhado comigo algumas de suas lembranças sobre a Sloper. É gratificante observar o quão longe as reportagens vão e as diferentes maneiras com que atingem cada um. Mais uma vez, obrigada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén