Comércio Antigo


Henry Kappaun via @fuiprarua

Categoria: Comércio Antigo (Página 1 de 12)

Padaria Francesa: máxima de sucesso

Faça Sol ou faça chuva, entre os fornos de uma padaria a previsão é só uma: calor. Calor que independe do que diz a meteorologia e cujas temperaturas “máxima e mínima”, na verdade, mais têm a ver com a atmosfera do ambiente de trabalho do que com os ventos externos que, no caso da Padaria Francesa, ainda assim sempre sopraram a favor.

Leia Mais →

Na passarela, a Malharia Águia

Ainda que trocadas as cores e estampas dos maiôs, o modelo se mantinha o mesmo: imbatível. Resumida à desenvoltura de uma águia, era a malharia capaz não apenas de detectar a concorrência, mas, sobretudo, olhar para além dela. Com sentidos altamente desenvolvidos e aguçados, foi a marca símbolo de perspicácia no Brasil e no mundo.

Leia Mais →

Frutolândia: no radar do público

O carro não era “forte”, mas ainda assim transportava mercadorias de altíssimo valor. Longe de ser blindado ou ultra protegido, dava seu jeito de chamar tanta atenção quanto os referidos furgões. Marca registrada da Frutolândia, o caminhão de frutas da loja estava sempre no radar do público: ávido por levar consigo parte daquele patrimônio.

Leia Mais →

Papelaria Pedro II e a marca da generosidade

Ao mesmo tempo em que o papel pautado conforta porque traz a garantia de um trajeto já pré-definido, é na imensidão do incerto que se encontra liberdade para criar. E foi justamente nela que dois portugueses fundaram, em Petrópolis, aquela que foi considerada a maior indústria de fabricação de cadernos da América Latina: a Papelaria Pedro II.

Leia Mais →

Fagam e a produção do fio da sinergia

Os turnos eram três e o quadro de funcionários somava mais de 500 deles. Com o ritmo ditado pelo maquinário, coube aos colaboradores, contudo, garantir que o coração de ferro da fábrica pulsasse na mesma sintonia em cada um deles. Na torção do algodão ou na torcida por seu sucesso, foi na base do fio que a Fagam cresceu e escreveu sua história.

Leia Mais →

Company e o C da conquista

Inicial comum a Carlos, Carina, Caetano e Carolina, nos anos 80 e 90, contudo, só havia lugar para um ‘C’ no coração dos jovens: o de Company. Termômetro social da juventude, a marca era vestida com a mesma devoção de quem, num pingente com a letra do amado, carrega junto ao peito o lembrete de uma conquista.

Leia Mais →

Maneco: reflexo de um negociante sem igual

Dotado de uma versatilidade sem precedentes, foi como feirante que o empreendedor Manoel da Costa Frias Sobrinho aprendeu a arte do cálculo. O matemático também, mas principalmente aquele que diz respeito ao lucro que vem a partir da aceitação de riscos que o tornaram, aos 40 anos de idade, um dos mais respeitados comerciantes da cidade.

Leia Mais →

Exodus: rito de passagem e satisfação

Especializada na venda de presentes, nem mesmo o encerramento das atividades da loja foi capaz de fazer com que ela abandonasse sua essência: a de fazer e ser lembrada. Após 43 anos ininterruptos de serviços prestados à cidade, a Exodus se mostrou, de fato, rito de passagem, movimento e, sobretudo, satisfação.

Leia Mais →

Sapataria Messa e o convite à apreciação

Nos grandes clássicos coragem e ternura são características intrínsecas a personagens de destaque. Em Petrópolis, houve um tempo em que eram três as sapatarias comandadas por italianos que, quase que como mosqueteiros, atuavam em defesa do ramo de calçados. Indissociáveis eram eles os Borzino, Schettini e Messa.

Leia Mais →

Casas da Banha: de onde vinha a alegria

Foi nos anos 90 que a gordura animal deixou as prateleiras e as Casas da Banha, por sua vez, saíram do mercado. De repente, a crença era a de que o produto poderia ser prejudicial à saúde cardiovascular. Hoje reincorporado à rotina, ao menos entre a família “CB” nunca houve dúvida: se o elemento atuou sob o coração foi para fortalecê-lo.

Leia Mais →

Página 1 de 12

Petrópolis Sob Lentes & Desenvolvido por Nerd Etcetera