Comércio Antigo


Henry Kappaun via @fuiprarua

Categoria: Comércio Antigo (Página 1 de 10)

Armazém Olavo Bilac e o legado de ‘seu’ Pedrinho

Contrastante à região de transição em que se estabeleceu, o armazém do ‘seu’ Pedrinho, na Olavo Bilac, foi permanente. Fundado em família e sustentado também por elas, se tornou, ainda em 1945, o mercado do bairro e a certeza de encontrar, porta adentro, vínculos entre quem soube servir e construir a própria história.

Leia Mais →

Café Centenário: duradouro no nome e além dele

Equivalente, na denominação, ao espaço de cem anos, a extensão do local era, por outro lado, indefinida. Simbolizado pelo período de um século, o intervalo promovido pelo Café Centenário era paradoxo: compreendia o caminho mais curto rumo ao duradouro bem-estar proporcionado pelo bar.

Leia Mais →

Restaurante Falconi: (re)querido pelo público

A decisão já estava feita e a atração mais que definida. Se necessário, até a rota o viajante mudava para não deixar o restaurante de fora do itinerário. Infalível, a interativa visita ao Falconi remontava à regra de ouro do comércio tradicional: a de que a cordialidade pauta a qualidade.

Leia Mais →

Mini cinema: pequeno no tamanho, grande nas emoções

Com o edifício Pellegrini em foco, os carros saíam de cena e faziam das fitas, recém tiradas da lata, únicos elementos a por ali rodar. Recluso, o ambiente surpreendia. De frente para as poltronas, no mini cinema era diferente: antes mesmo de sentar, a plateia via o filme começar dentro e sob suas cabeças.

Leia Mais →

Mayfair: histórias confiadas aos cabides

Construídas sob tramas, as peças da Mayfair eram dignas de quem suas linhas interpretasse. À espera de quem por elas se interessasse, tinham suas histórias confiadas aos cabides. E, na mesma facilidade com que cruzavam mares até chegarem às estantes, em instantes conquistavam o cliente, que as mercadorias lia e percorria.

Leia Mais →

A Brasileira: digna de se tirar o chapéu

Escondidos pela aba da saudade e, forrados pelo conforto do atendimento, são absortos em andanças por lembranças os sorrisos de quem da loja tomou conhecimento. Ambiente digno de se tirar o chapéu, foi a Brasileira endereço oficial do adereço e do apreço tido pelo casal de comerciantes.

Leia Mais →

La Bohemia e as táticas do jogo da conquista

Premeditado na derrubada dos pinos, no jogo da conquista, por sua vez, o número de arremessos dependia da investida. Sem passar da linha – para não perder pontos frente aos adversários, e nem se firmar no uso da canaleta, o grande lance no La Bohemia era partir para o ataque. 

Leia Mais →

Ducal e o bem-estar de comprar

No ducado do senhor José Cândido Moreira de Souza, a moeda era cunhada no princípio da reciprocidade; na ideia de que o primeiro passo para unificar um território é conhecer e satisfazer quem nele vive. E foi assim, sob a jurisdição do referido dirigente, que comprar na Ducal se tornou sinônimo de bem-estar.

Leia Mais →

Farmácia Modelo: referência no nome e além dele

Nas artes plásticas um modelo é uma reprodução estética de algo tido como fonte de inspiração. E ainda que na farmácia comandada pelo senhor Capella não se trabalhasse com argila ou gesso, a arte feita por ele era tida como referência. Ideal do mais alto grau, ‘Tuta’ provava que nada é mais contagioso do que um exemplo.

Leia Mais →

Era uma vez, no Palácio das Noivas

Bastava atravessar a porta de entrada da loja que os clarins começavam a tocar e as noivas já se imaginavam no altar. Rodeadas por madrinhas cujo coração era o maior instrumento de magia, no conto de fadas do Palácio das Noivas a carruagem não virava abóbora e o relógio, em vez de encerrar, o ápice da história fazia engrenar.

Leia Mais →

Página 1 de 10

Petrópolis Sob Lentes & Desenvolvido por Nerd Etcetera